Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

CITAÇÃO DO DIA

“É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas graça das graças é não desistir nunca.”  (Helder Câmara)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

SALÁRIO AINDA SOBE ACIMA DA INFLAÇÃO, MAS REAJUSTE FICA MENOR
A maior parte das negociações salariais ocorridas no primeiro semestre deste ano conquistou reajustes salariais acima da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O balanço foi realizado pelo Sistema de Acompanhamento de Salários do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A despeito da forte crise econômica que atinge o Brasil, aproximadamente 69% das negociações analisadas pelo SAS-Dieese conquistaram aumentos reais no período de janeiro a junho. Os reajustes se concentraram na faixa até 1% de ganho acima da inflação. Os dados indicam, no entanto, que houve uma sensível diminuição na proporção dos reajustes com ganho real frente ao observado nas mesmas categorias nos últimos oito anos. O aumento real médio também caiu e apresentou o menor valor desde 2008 (0,51%), quando o SAS-Dieese passou a acompanhar o resultado das negociações coletivas pertencentes a um painel fixo de categorias.  "O valor médio do aumento real (0,51%) reflete o cenário desfavorável", afirma José Silvestre, coordenador de Relações Sindicais do Dieese. De acordo com ele, o resultado se dá em função do aumento da inflação, juntamente com a elevação do desemprego. "Um número significativo de negociações obteve reajustes iguais à inflação medida pelo INPC-IBGE, correspondendo a quase 17% do painel, que considera 302 unidades de negociação privadas e de empresas estatais", informa o SAS-Dieese. Esse porcentual supera o observado em 2009, que tinha sido, até então, o maior nessa faixa, com pouco mais de 16%. Em relação aos aumentos abaixo da inflação, o porcentual de aproximadamente 15% é superior aos 11% verificados em 2008. "Quando somados, os acordos que não tiveram aumentos reais correspondem a cerca de 32% do painel", afirmam os técnicos do Dieese. As negociações contemplam três grandes setores: indústria, comércio e serviços. Ficaram de fora do levantamento a agricultura e o setor público por causa das diferentes formas de pagamento dos salários nestes dois segmentos. No entanto, o setor mais prejudicado no primeiro semestre foi o da indústria. Quando se compara os reajustes do primeiro semestre das 128 unidades de negociação do setor industrial com os conquistados pelas mesmas negociações em anos anteriores, verifica-se que 2015 foi o ano mais desfavorável. "A proporção dos reajustes com ganhos reais ficou no menor patamar dos últimos anos", afirma Silvestre. De acordo com ele, aqueles setores que não repuseram as perdas inflacionárias correspondem a quase três vezes a proporção registrada nos anos de 2008 e 2013, os piores registrados até então. A queda no aumento médio na indústria em 2015 refletiu a piora da economia. O valor foi o mais baixo do período pesquisado, muito próximo a zero (0,19%), acima do INPC. Na indústria, os ganhos reais foram verificados em 61% e as perdas, em 20%. O comércio foi o setor que apresentou a maior proporção de reajustes com ganhos reais no primeiro semestre (76%) e a menor de reajustes abaixo do INPC-IBGE (7%). Nos serviços, por sua vez, os ganhos reais foram observados em 74% das negociações, e perdas, em 12%.

ESTUDOS APONTAM CAMINHO PARA VACINA UNIVERSAL CONTRA GRIPE
Há anos a ciência busca uma vacina universal para o vírus influenza, que seria capaz de proteger contra uma ampla gama de variedades de gripe. Agora, dois grupos diferentes de cientistas descobriram uma maneira de tornar os anticorpos mais eficazes para múltiplos subtipos do vírus.  O novo método forneceu proteção completa em camundongos e, segundo os autores, pode ser o caminho para a vacina universal contra a gripe. As duas pesquisas tiveram seus resultados publicados ontem, simultaneamente, nas revistas Science e Nature.
Uma das principais características do vírus influenza, segundo os cientistas, é que ele se modifica constantemente e, por isso, as vacinas existentes precisam ser atualizadas anualmente. Uma vacina universal, segundo deles, poderia no futuro eliminar a necessidade de várias rodadas anuais de vacinação. "Esse estudo mostra que estamos nos movendo na direção certa para uma vacina universal contra a gripe", disse um dos autores do estudo da Science, Ian Wilson, professor do Instituto de Pesquisas Scripps, dos Estados Unidos. Segundo Wilson, anualmente a gripe comum causa mais de 200 mil hospitalizações e 36 mil mortes só nos Estados Unidos. Embora a vacinação anual proteja contra algumas cepas do vírus, ela não faz efeito para vários subtipos do vírus que aparecem subitamente - como aconteceu em 2009 com o subtipo H1N1, conhecido como "gripe suína", que matou entre 150 mil e 575 mil pessoas no mundo. As vacinas existentes atualmente têm como alvo a molécula chamada hemaglutinina (HA), uma proteína que tem como principal função ligar o vírus ao receptor da célula hospedeira - e que está presente em todos os subtipos de influenza. O problema é que a "cabeça" dessa molécula se modifica rapidamente e, por isso, as vacinas precisam ser reformuladas continuamente. Nos dois estudos publicados ontem, os cientistas tentaram outra estratégia: criar vacinas que atuem no "caule" da molécula HA, em vez de atuar na sua "cabeça". Eles descobriram que, embora a "cabeça" da molécula se modifique muito, o "tronco" permanece muito parecido, com poucas mutações, nas diversas cepas de vírus. Segundo Wilson, uma vacina capaz de fazer o corpo reconhecer a parte da molécula HA que não sofre mutações seria fatal para o vírus, já que a proteína é fundamental no processo de infectar as células e está presente em todos os subtipos. Os pesquisadores então isolaram essa parte da proteína HA e desenharam uma vacina que força o corpo a produzir anticorpos específicos contra ela. "Se o corpo humano puder produzir uma resposta imune contra o tronco da molécula HA, fica difícil para o vírus escapar", disse Wilson. No experimento da Science, liderado por  Antonietta Impagliazzo, do Instiuto Crucell de Vacinas, em Leiden, na Holanda, a vacina experimental desenhada foi capaz de dar proteção total a camundongos contra os vírus H5N1, da gripe aviária, e H1N1, da gripe suína. A vacina foi menos eficaz em macacos, mas os animais tiveram sintomas menos severos de gripe depois da imunização. O grupo que publicou na Nature, liderado por Barney Graham, do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, em Maryland, desenhou uma vacina experimental que também deu proteção completa a camundongos e proteção parcial a furões. Os animais haviam recebido injeções do vírus H5N1 em doses que foram fatais para outros animais não vacinados. Segundo Wilson, no entanto, os experimentos foram apenas uma "prova de princípio". "Esses testes mostraram que anticorpos induzidos contra um subtipo específico de influenza poderia proteger contra subtipos diferentes", afirmou. O próximo passo, segundo o cientista, é descobrir se a estratégia pode dar certo para o desenvolvimento de uma vacina que possa ser aplicada em humanos. "Ainda há muito trabalho a ser feito, mas o objetivo final, com certeza, seria criar uma vacina cujo efeito durasse a vida toda", declarou Wilson.

USO DE E-MAIL DEVE CONTINUAR, MESMO COM REDES SOCIAIS, DIZ PESQUISA
Se ver uma caixa de e-mail com centenas de mensagens enche você de horror, pode ir se acostumando, porque eles chegaram para ficar e continuarão uma constante no ambiente de trabalho, de acordo com uma pesquisa divulgada na semana passada. Apesar da popularidade das mensagens instantâneas e mídias sociais, a pesquisa revelou que os e-mails estão no topo das ferramentas de comunicação no trabalho e crescerão em importância nos próximos cinco anos.Na pesquisa online, composta por uma amostra de 400 executivos nos Estados Unidos, quase metade disse achar que o uso de e-mails irá crescer nos próximos anos. Dezenove por cento disseram que irá aumentar substancialmente. Mais de 90 por cento dos executivos admitiram que verificam seus e-mails pessoais no ambiente de trabalho e 87 por cento disseram que verificavam seus e-mails de trabalho fora do período de expediente. “O e-mail é e se manterá como um marco da cultura do local de trabalho”, disse Kristin Naragon da Adobe Systems, que encomendou o estudo. O executivos na amostra estimaram gastar 6,3 horas por dia checando e-mails, com 3,2 horas dedicadas aos e-mails de trabalho e 3,1 horas aos e-mails pessoais.

COLÍRIO DO BLOG

DAYENE DIAS UM EFICAZ COLÍRIO DOSADO EM 05 GOTAS


 

Quando Dayene Dias, de 25 anos, estaciona a ambulância e começa a cuidar das vítimas de acidentes na Rodovia Washington Luís (BR-040), todos ficam surpresos. Com 65 kg bem distribuídos por 1,63m, morena de cabelos lisos e curvas acentuadas, a socorrista ajuda quem perdeu a direção. Ela faz até rapel para resgatar os que desceram a ribanceira. Ao volante, atropela o preconceito num lugar pouco acostumado à presença feminina. Com olho puxado, Dayene ganhou o apelido de Xing Ling no hospital. Para manter a forma, malha nos dias que não está de plantão. A carreira de modelo só começou há seis meses. Uma amiga chamou Dayene para tirar fotos para um catálogo de biquíni. Depois, outra a convidou para fazer propaganda de roupa de ginástica.


EFEITOS COLATERAIS DO COLÍRIO DO BLOG
Aumento da frequência cardíaca, endurecimento dos membros, falta de ar e insônia.

PRECAUÇÕES
O uso prolongado pode causar dependência. Se persistirem os sintomas, consulte um médico.

CAUSOS DO BLOG

CHAMO A MARIA
por Geraldo Duarte*

Velho amigo narrou-me causo, dizendo-o ocorrido na extinta Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA).
Joaquim Guedes Martins, na época chefe das Linhas e Vias Permanentes em nosso Estado, percorria as unidades interioranas inspecionando o funcionamento e a capacitação do pessoal.
Numa das viagens, encontrou uma turma de manutenção substituindo os dormentes defeituosos de um trecho. Aproveitou o ensejo para rápida fiscalização dos serviços e do preparo funcional do responsável pela equipe.
Destarte, criou uma hipotética situação e, em seguida, engendrou vários problemas que o ferroviário deveria solucionar.
Ali, a linha férrea estaria danificada e ocasionaria descarrilamento do trem que, em uma hora, trafegaria pelo local, causando enorme sinistro. Qual a precaução que adotaria para impedir a tragédia?
O indagado afirmou que pegaria duas bandeiras vermelhas, deslocava-se quinhentos metros e sinalizaria. O maquinista frearia o comboio e estaria evitado o desastre.
E se não possuísse as bandeiras? – perquiriu o indagador.
Acenaria com os braços, cruzando-os acima da cabeça, indicando perigo – respondeu o interrogado.
Fosse noite, como agiria? – insistiu o inquiridor.
Usaria lampiões ou acenderia uma fogueira e faria os sinais citados – disse o ferroviário.
Acaso chovesse muito e um escuro total impedisse a visibilidade do maquinista, qual a providência? – controverteu o perquiridor.
Aí então, doutor, eu chamava a Maria!
Quem é a Maria e para que? – repisou o perguntador.
É minha mulher! E eu a chamava para ela ver a desgraceira que ia acontecer e ninguém podia evitar – garantiu o interpelado.

(*) Geraldo Duarte é advogado, administrador e dicionarista.

SUA CIDADE NO PASSADO

NEW YORK – USA  NO ANO DE 1925
Imagem do trânsito parado para um gato atravessar a avenida em  julho de 1925, New York – USA. 

CIRCULA NA INTERNET

CLÁSSICOS REINVENTADOS
Senhoras e senhores, com vocês, a nova capa de seção “CLÁSSICOS REINVENTADOS”…


IMAGEM DO DIA

Um belíssimo final de tarde na aconchegante Fortaleza - CE - Brasil.

PIADA DO BLOG

ONDE ESTA A POLÍCIA?
O cara está passeando em uma rua do bairro da Aldeota em Fortaleza-CE quando alguém lhe pergunta:
— Ei, amigo... Você viu algum policial por aí?
— Infelizmente não.
— Então passa a grana, o celular e o Rolex, isso é um assalto!

TEXTO DO BLOG

INSTABILIDADE ESTÁVEL
por  Nahman Armony*
                                   
Uma pergunta anda preocupando muitos casais atuais: será possível alcançar a estabilidade de uma união hoje, com tantas mudanças nas relações entre homem e mulher? A dúvida procede e tem raízes profundas e antigas. Ameaçados por predadores, doenças e até pelo clima, nossos ancestrais pré-históricos viviam em permanente estado de insegurança. O desenvolvimento de instrumentos de defesa e o domínio do fogo reduziram um pouco esse sentimento, mas não o eliminaram. Inventaram-se então os deuses protetores. Ainda assim, a imprevisibilidade e a insegurança persistiam. As religiões monoteístas trariam outra alternativa de alívio para o mal: a vida pós-morte, que, se vivida no paraíso, traria felicidade, segurança e tranqüilidade eternas. O homem tinha, então,  o seu olhar projetado para o além da vida. Com a filosofia do francês René Descartes (1596-1650) e a física do inglês Isaac Newton (1642-1727) as coisas mudariam: havia a promessa da felicidade plena ainda em vida, pelo desenvolvimento da ciência, que nos livraria de doenças e nos daria máquinas que resolveriam todo tipo de problema. Em tal clima de otimismo, o homem deixou de aceitar a incerteza como parte da vida e passou a exigir de si mesmo e dos outros estabilidade, previsibilidade, segurança, felicidade permanente. É essa mentalidade que ainda predomina, embora já haja brechas por onde a insegurança se infiltra. Uma dessas brechas é o setor amoroso.
Estamos saindo de um período em que esperava-se que os casais se encontrassem, namorassem, se casassem e vivessem felizes para sempre. Havia um simulacro de estabilidade e sossego. Uma estabilidade tipo “eu mando, você obedece”. A paz reinava à custa de sacrifício e sofrimento ocultos, mas isso era ignorado e o troféu era “o casal feliz”, “a família feliz”, a estabilidade, enfim.
Com o advento das relações igualitárias, as divergências vieram à tona. A mentalidade de ponta não aceita que um dos membros do casal fique em posição submissa, reprimindo desejos e sentimentos para manter suposta harmonia. E agora? Como conciliar as diferenças? Mais que isso, como cada parceiro irá lidar com a sensibilidade do outro? Se penso dizer alguma coisa que o ferirá, devo me calar? Mas e se, em emudecendo, acumulo ressentimentos que irão estourar em algum lugar e momento? Até onde devo passar por cima de meus sentimentos para respeitar a sensibilidade do outro? E será que este outro está tendo o mesmo cuidado? Até onde devo me sacrificar pela pessoa que amo?
A resposta a essas questões não é precisa, mas fugidia, pois depende da sensibilidade momentânea do casal, fruto das experiências cotidianas com o parceiro e com o mundo, do estado de espírito, do estado de saúde, e de muitos outros fatores.
A bússola se encontra no vir a ser da relação. Realiza-se uma ação e há uma resposta que deverá ser levada em conta para a próxima ação, e assim por diante. Haverá momentos em que um dos dois estará em condições de receber maior carga mobilizadora e poderá ser mais compreensivo. Haverá outros em que as circunstâncias o tornarão mais frágil e não poderá então suportar o peso da susceptibilidade do outro.
Se concebermos dois pólos extremos  “pensando em mim” e “pensando no outro” e os ligarmos por uma linha de gradação, poderemos dizer que a possibilidade de uma relação satisfatória está na flutuação do casal por essa linha imaginária, ocupando a cada momento o ponto mais conveniente para seu escorregadio equilíbrio. O par alcançará então uma segurança insegura, uma instabilidade estável. Esta poderá ser a baliza de referência para o entrosamento do casal.  

(*) Nahman Armony, médico psicanalista, é membro da Sociedade de Psicanálise Iracy Doyle (Spid), do Círculo Psicanalítico do Rio de Janeiro e da Federação Internacional das Sociedades Psicanalíticas. Publicou, entre outros livros, Borderline: Uma Outra Normalidade. E-mail: nahman@uol.com.br

domingo, 30 de agosto de 2015

DICA DO BORJÃO

A “Dica do Borjão” de hoje, 30 de agosto de 2015, disponibiliza um harmônico dueto com a cantora italiana “Chiara Civello” e o nosso grande “Chico Buarque”, interpretando a bela e romântica música IO CHE AMO SOLO TE (Sergio Endrigo). Um excelente e saudável domingo para todos Vocês e até a próxima Dica do Borjão.


IO CHE AMO SOLO TE
Composição: Sérgio Endrigo
Canta: Chiara Civello e Chico Buarque
 
C'è gente che ha avuto mille cose
Tutto il bene, tutto il male del mondo

Io ho avuto solo te
E non ti perderò, non ti lascerò
Per cercare nuove avventure

C'è gente che ama mille cose
E si perde per le strade del mondo

Io che amo solo te
Io mi fermerò e ti regalerò
Quel che resta della mia gioventù

Io ho avuto solo te
E non ti perderò, non ti lascerò
Per cercare nuove illusioni

C'è gente che ama mille cose
E si perde per le strade del mondo

Io che amo solo te
Io mi fermerò e ti regalerò
Quel che resta della mia gioventù

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

CITAÇÃO DO DIA

“Sei que na minha caminhada tem um destino e uma direção, por isso devo medir meus passos, prestar atenção no que faço e no que fazem os que por mim também passam ou pelos quais passo eu... Que eu não me iluda com o ânimo e o vigor dos primeiros trechos, porque chegará o dia em que os pés não terão tanta força e se ferirão no caminho e se cansarão mais cedo... Todavia, quando o cansaço houver, que eu não me desespere e acredite que ainda terei forças para continuar, principalmente quando houver quem me auxilie...É oportuno que, em meus sorrisos, eu me lembre de que existem os que choram, que, assim, meu riso não ofenda a mágoa dos que sofrem: por outro lado, quando chegar a minha vez de chorar, que eu não me deixe dominar pela desesperança, mas que eu entenda o sentido do sofrimento, que me nivela, que me iguala, que torna todos os homens iguais...” (Rivalcir Liberato)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

CUSTO DA CONSTRUÇÃO SOBE MAIS DE 7% EM 12 MESES, MOSTRA FGV
O custo da construção subiu 0,8% em agosto, depois de avançar 0,66% no mês anterior, segundo informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) na quinta-feira (27). No ano, o indicador acumula alta de 6,15% e, em 12 meses, de 7,12%. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou subiu 0,27%, mais do que no mês anterior, quando avançou 0,17%. Já a mão de obra subiu mais, de 1,10%, passou para 1,27%. variação desta classe de despesa foi influenciada pelos reajustes salariais no Distrito Federal e Porto Alegre. Quatro capitais registraram taxas mais altas de julho para agosto: Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Na contramão, Salvador e São Paulo registraram desaceleração. Recife manteve a taxa de variação do mês anterior.

POEIRA DE NOSSAS CASAS TEM MAIS DE 9 MIL TIPOS DE MICRÓBIOS, INDICA ESTUDO
Cientistas afirmam que tipo de bactérias e fungos varia de acordo com local da residência e seus moradores, mas ressaltam que maioria deles não faz mal à saúde. Um novo estudo científico sugere que podemos estar compartilhando nossas casas com cerca de 9 mil espécies diferentes de micróbios. Pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, analisaram a poeira coletada em 1,2 mil residências americanas e descobriram que esta é a média de tipos de bactérias e fungos encontrados na poeira de uma casa comum. Publicado no periódico "Proceedings of the Royal Society B.", o estudo faz parte do projeto "A Vida Selvagem de Nossas Casas", em que voluntários enviaram amostras da poeira acumulada no batente de portas, locais que costumam ser ignorados durante uma limpeza, segundo os cientistas. "Sabemos há muito tempo que micróbios habitam nossas casas. O que estamos fazendo agora é aplicar a velha e boa ciência para ver como eles variam de acordo com espaço onde são encontrados", afirma Noah Fierer, professor de ecologia e biologia evolucionária. Os pesquisadores chegaram à conclusão de que uma casa comum costuma ter mais de 2 mil tipos diferentes de fungos e que seu tipo varia de acordo com a localização da residência. "A maioria dos fungos encontrados nas casas aparentemente vem de fora dela", afirma Fierer. "Eles entram por meio das roupas ou janelas e portas abertas. Por isso, a melhor forma de prever que tipo de fungo habita uma casa é ver onde ela fica". Os cientistas ainda descobriram uma média de 7 mil bactérias diferentes por casa. Algumas delas estão relacionadas à pele humana, mas foram encontradas espécies ligadas a fezes. Nesse caso, a variedade depende não da localização da casa, mas de quem a habita. "Encontramos bactérias diferentes em casas em que moram mulheres do que naquelas habitadas apenas por homens", diz Fierer. "Há tipos de bactérias mais comumente associados ao corpo feminino do que ao masculino, e pudemos ver isso na poeira". A presença de animais de estimação também influenciou a variedade de micróbios. "Ter um gato ou um cachorro impacta significativamente as bactérias encontradas em uma casa", explica Fierer. "Foi surpreendente para nós encontrar uma influência tão grande - maior do que qualquer outro fator". Apesar de o estudo ter sido realizado nos Estados Unidos, o cientista afirma que os resultados são relevantes para casas em outras partes do mundo. Agora, os pesquisadores querem descobrir como estes microrganismos podem afetar a saúde humana. Apesar de alguns estarem ligados a doenças e alergias, a maioria provavelmente é inofensiva, segundo os cientistas, e podem até mesmo ser benéfica. "As pessoas não precisam se preocupar com os micróbios em suas casas. Eles estão ao redor de nós, em nossas peles, em nossos lares - e maioria deles não faz mal algum", afirma Fierer.

Nº DE CIDADES DO BRASIL QUE OFERECEM WI-FI CHEGA A 26%, DIZ IBGE
O número de municípios brasileiros que oferecem conexão à internet via Wi-Fi cresceu 83,2%, segundo o Perfil dos Estados e dos Municípios Brasileiros, feito pela Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgada nesta quarta-feira (26). Das 5.570 prefeituras brasileiras, 1.457 forneciam o serviço por meio de redes públicas em 2014 -- isto é, o levantamento não inclui as empresas particulares que vendem assinaturas. Apesar do salto em relação a 2012, ano da última pesquisa, as cidades que provêm esse tipo de acesso ainda somam 26,2% do total. Entre os Estados, o Acre é aquele que possui a menor quantidade de cidades a oferecer Wi-Fi. São apenas duas, Assis Brasil e Sena Madureira, que representam 9,1% do total. Apesar de baixo, o índice representa um avanço já que em 2012 nenhuma cidade acreana oferecia esse tipo de conexão à internet. Na outra ponta, dos Estados com mais municípios que fornecem a conexão, aparecem São Paulo, com 207, Minas Gerais, com 155, e Rio Grande do Sul, com 116. Nem todos, porém, estendem a cobertura da conexão Wi-Fi a todo o território da cidade.  Apenas 79 municípios fazem isso, o que representa apenas 5,4% do total. A maioria restringe o acesso a alguns bairros. Esse é o caso de 910 cidades (62,4% do total). O terceiro grupo é composto por aqueles que oferecem o sinal somente na área urbana da cidade (11,6%) e os que o estendem a algumas regiões da zona rural (20,5%).
ESTADOS
O IBGE também divulgou nesta semana dados que mostram pela primeira vez quais são os Estados brasileiros que oferecem conexão à internet por Wi-Fi público. De acordo com a pesquisa, 14 administrações estaduais, ou 51,9% do total, disponibilizavam o serviço, entre eles Amazonas, Pará e Acre. Os outros 13, como Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, não ofereciam o serviço (Veja quadro abaixo).

SERVIÇOS CONECTADOS
O IBGE também analisou os serviços oferecidos pelos municípios na internet. Em 2014, 1.548 cidades ofereceriam páginas capazes não só de exibir ou enviar informações aos cidadãos, mas também de realizar transações. Isso inclui o pagamento de contas e efetuação de matrículas em escolas da rede pública. O número representa 31,3% do total, acima dos 6,8% de 2012.
PESQUISA
O IBGE apresentou, no Perfil de Estados e Municípios, dados das pesquisas chamadas de Munic e Estadic 2014. Elas analisaram diversas questões sobre alguns temas, são eles: recursos humanos, comunicação e informática, educação, saúde, direitos humanos, segurança pública, segurança alimentar, inclusão produtiva e vigilância sanitária.

ARTE NO BLOG

A ARTE DE ALICE GORAYEB VINAGRE – PARTE 01
Nascida em Belém, no estado do Pará, trabalhou por trinta anos no Tribunal Regional do Trabalho, no Rio de Janeiro. Somente após a aposentadoria passou a dedicar-se intensamente a pintura e a escultura, atividades de laser anteriormente. Suas pinturas são repletas de cores vivas e alegres, com destaque para o vermelho e o dourado. A alternância de fases é uma de suas características marcantes, tendo como principais temas, marinas, casarios, paisagens, naturezas mortas e pierrôs. A presença de pierrôs em suas obras é a forma com que a artista transmite emoção e entusiasmo, características de sua própria personalidade que também podem ser observadas em suas esculturas. Sua formação inclui vários cursos, como os de escultura com a professora Sheila Ataíde e os de pintura com o professor Castelo Branco. Completou seus estudos com cursos com a professora Carmem Flora. Participou de inúmeras exposições no Brasil e no exterior. Recebeu diversos prêmios além de moções de Louvor e Aplausos de Câmaras Municipais. 

Fonte: Saber Cultural

RECEITA DO BLOG

CARNE DESFIADA PARA SANDUÍCHE
INGREDIENTES PARA 12 PORÇÕES:
·         1 kg de miolo de acém ou palheta
·         1/2 garrafa de vinho tinto;
·         40 ml de óleo de soja ou milho
·         1 colher (sobremesa) rasa de açúcar
·         5 dentes de alho;
·         4 tomates maduros
·         2 cebolas;
·         Sal e pimenta-do-reino a gosto
·         Montagem
·         1 colher (sopa) de farinha de trigo
·         1/2 colher (sopa) de amido de milho
·         2 cebolas roxas;
·         Óleo para fritar e alface para decorar

MODO DE PREPARO
Carne
1. Na véspera, tempere a carne com o vinho, o alho picado, a cebola, sal e pimenta. 
2. Deixe marinar por cerca de 12 horas; leve o óleo com o açúcar ao fogo e deixe dourar. 
3. Coloque a carne sem a marinada e doure bem de todos os lados. 
4. Depois de dourada, junte o líquido da marinada e os tomates picados, sem a pele. 
5. Cozinhe em fogo médio por 1 hora acrescentando água, se necessário; utilize a carne finalizada para rechear os sanduíches.
Montagem
1. Corte a cebola em tiras bem finas, empane na mistura da farinha e amido de milho. 
2. Frite em óleo, por imersão, até ficar bem douradas. 
3. Seque em papel absorvente; reserve. 
4. Em um pão de hambúrguer, sirva uma porção da proteína, as cebolas e finalize com alface. 

Fonte: Receitas da chef Renata Braune

CIRCULA NA INTERNET

PREVISÃO DO TEMPO GOSTOSA
Faça chuva ou faça sol, com essa gostosa na telinha, a previsão do tempo vai ser sempre boa.Exercicios Barriga
 Alguém aí sabe qual o canal onde passa essa delícia? HUEHUEHUEExercicios Barriga

IMAGEM DO DIA

Uma encantadora imagem de um final de tarde na nossa bela e amada Praia de Tibau - RN - Brasil.

PIADA DO BLOG

ALFREDÃO PREOCUPADO COM O MAL DE ALZHEIMER
No “happy hour” das sextas no Dallas Grill em Fortaleza-CE o grande filósofo Alfredão estava observando os seus amigos Borjão, Tonhão, Paulão, Pedrão e Bigodão, discutindo a atual situação econômica Brasileira, da China e Grécia. Foi então que o Borjão notou que o Alfredão estava bem calado com o tema em debate, e perguntou:
- Alfredão o que é isso amigão, você não deu nenhuma opinião sobre o que estamos discutindo, o que está acontecendo com você?
O Alfredão então respondeu:
- Amigo e “papa-jerimum” Borjão, estou pouco lixando para essa crise que vocês estão debatendo, a minha preocupação é que nos anos de 2012, 2013  e 2014, o mundo todo gastou CINCO vezes mais com implante de seios e com Viagra do que na investigação sobre o mal de Alzheimer.
E o Borjão questionou:
- Alfredão qual a razão dessa sua preocupação?
E ele respondeu:
- Meu estimado amigo Borjão, o que se pode prever é que daqui a 30 anos, haverá um grande número de pessoas idosas com seios enormes e ereções extraordinárias, mas incapazes de lembrar para que ambos servem!

TEXTO DO BLOG

CONSTRUINDO UMA NAÇÃO
por Gaudêncio Torquato*

Os países são expressões geográficas, os Estados são formas de equilíbrio político e uma Pátria, mais que isso, é um sincronismo de espíritos e de corações, uma comunhão de esperanças. Esta magistral definição, de José Ingenieros, em seu belo ensaio moral sobre a mediocridade humana, nos faz pensar sobre o estágio civilizatório do Brasil, neste momento em que Dilma Rousseff tenta se segurar na cadeira do Planalto, Eduardo Cunha promete se agarrar à cadeira da presidência da Câmara Federal e Ricardo Lewandovski espera, sentado em sua cadeira de presidente da alta mais Corte do país, a denúncia envolvendo políticos.
A rigor, podemos dizer que as instituições estão funcionando. Mas isso basta para nos transformar em uma Nação? Ou continuamos sendo ainda uma terra bárbara? O Brasil está longe de ascender ao estágio civilizatório de uma Pátria, expressa pelos valores da solidariedade, da igualdade, da unidade em torno da utopia coletiva voltada para a realização de grandes coisas. Um olhar para qualquer espaço da vida política e institucional, flagra a torpeza de atitudes, a retórica dos interesses pessoais, os espaços públicos climatizados com os vapores do servilismo, as filas do fisiologismo e a administração pública povoada de proxenetas, que usam os desvãos do poder para engrossar um gigantesco PIB informal.
Não é a toa que nas terras de Curitiba, um juiz, todo vestido de preto, rodeado de jovens procuradores atolados numa montanha de pastas, dá-se ao trabalho cirúrgico de descobrir cancros e tumores que ameaçam, como metástase, se espalhar pelo corpo nacional. A legião de Sérgio Moro mais parece uma legião imbuída de “uma missão divina”, inteiramente voltada para desvendar o estado invisível escondido no território nacional.
E o que faz, nesse momento, o Congresso Nacional? De um lado, o Senado procura acenar a bandeira de seu presidente, chamada de Agenda Brasil, cujo lema é este: salvemos o Brasil enquanto há tempo. De outro, a Câmara, comandada por Eduardo Cunha, vota matérias polêmicas – como diminuição da idade penal, correção do FGTS, vinculação de salários de diversas carreiras do Estado ao salário dos funcionários do STF - sem considerar a gravidade do momento nacional e a extrema necessidade de o país abrir rígido ciclo de contenção de despesas. Os dois presidentes, ambos do mesmo partido, o PMDB, parecem puxadores de um cabo de guerra, cada qual se esforçando bravamente para trazer o cabo para o seu lado.
E onde está o tão proclamado projeto de reforma política? Aprovado na Câmara, tramita pelo Senado. Mas, é bem provável que esbarremos, no fim da linha, com o famoso dito: a montanha pariu um rato. O que veremos? Pouco: financiamento misto de campanha nos moldes atuais, com pequenas restrições; fim das coligações proporcionais; custo limitado de campanhas e regras de organização partidárias. Não serão suficientes para mudar, em profundidade, os costumes políticos. Continuaremos a ver a política sob as mazelas históricas: o grupismo, o familismo, o mandonismo dos caciques regionais, a retaliação dos espaços da ad­ministração pública. A cláusula de barreira, proibindo a formação de partidos minúsculos, poderia efetivamente conferir densidade dou­trinária aos cinco, seis ou oito grandes partidos que restariam? Sim. Mas deverá ser deixada de lado.
Tomemos o caso da representação política. Diz-se que o Congres­so Nacional é o retrato apurado da comunidade nacional. Se os par­lamentares tomam decisões erradas ou não dignificam o mandato, a culpa acaba sendo atribuída ao povo, que não sabe votar. Não é bem assim. O que tem ocorrido é um deslizamento da democracia dire­ta, a que é exercida pelo povo quando elege os representantes, pela democracia mediada por interesses nem sempre consoantes com a vontade do eleitor. Os governos acabam sendo produto de acordos, barganhas e intermediações, deixando de refletir os resultados das urnas.
Não é sem razão, pois, que se acusa a democracia brasileira de es­tar esvaziada de conteúdo social. Os melhores quadros do Congresso Nacional acabam sendo reféns do mandonismo do governo. Imagi­nem-se os quadros menos qualificados, os chamados parlamentares do baixo clero. Acabam aguardando a vez na porta da esperança, onde mendigam verbas para sustentar o prestígio regional.
Uma verdadeira reforma política deveria abarcar todos esses aspectos. Restrita, a reforma será inconse­quente. Pois não adiantará reformar aspectos pontuais do sistema, sem alterações de fundo no sistema econômico com o objetivo de diminuir as desigualdades sociais. Reformar a cultura política significa, pois, refor­mar o cidadão. Cidadãos exigentes, cultos e preparados produzem o oxigênio para a gestão racional da democracia.
Felizmente esse novo cidadão começa a adensar as ruas. As mobilizações sociais dos últimos tempos constituem a tão ansiada luz no fim do túnel. Essa é a boa novidade que se pinça do monturo de coisas podres, deterioradas, estragadas que alimentam os urubus da política.
O que faz a grandeza de uma Nação? O historiador Edward Gibbon, em Declínio e Queda do Império Romano, sintetiza: a imaginação dos pensadores; os benefícios das leis, da política, do comércio, das manufaturas, das artes e das ciências; e a capacidade operativa de homens comuns, famílias, e cidades dedicadas aos ofícios mecânicos, ao cultivo da terra, ao uso do fogo e dos metais, enfim, à prática dos mais variados e utilitários serviços cotidianos.
Arrematemos a resposta. A grandeza de uma Nação é resultado direto da cidadania. Quanto mais se eleva a auto-estima dos cidadãos, pela via da educação política e consciência cívica, mais forte será a Nação. O Brasil está sendo passado a limpo. Com o apoio das ruas. É assim que se constrói uma Nação. 

(*) Gaudêncio Torquato é  jornalista, professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter @gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta na quinta-feira (27), impulsionada por empresas ligadas a commodities como Petrobras e Vale e também pelos bancos, também amparada nos mercados norte-americanos depois que o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos veio melhor que o esperado para o segundo trimestre. Na véspera, a Bovespa teve sua maior alta diária desde o ano passado. A Bovespa acompanhou ainda o otimismo nas bolsas do exterior. A Bolsa de Xangai encerrou o pregão desta quinta em alta expressiva de 5,34%, depois das fortes perdas do início da semana, em um mercado otimista depois do bom resultado da véspera em Wall Street. As bolsas da Europa também fecharam em alta. O Ibovespa, principal indicador da bolsa paulista, subiu 3,64%, a 47.715 pontos.
ÍNDICES DA BM&FBOVESPA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
MÁXIMO (PTS)
MÍNIMO (PTS)
Ibovespa
+3,64%
47.996,65
46.038,08
IBX
+3,43%
20.049,36
19.277,27
IBX50
+3,62%
8.222,04
7.889,82
IEE
+2,24%
26.537,52
26.031,34
IGCX
+2,78%
7.657,23
7.402,86
INDX
+1,98%
12.772,75
12.447,59
ISE
+3,42%
2.333,01
2.249,83
IVBX
+2,33%
7.250,38
7.052,23
Ibovespa
+3,64%
47.996,65
46.038,08
IBX
+3,43%
20.049,36
19.277,27
28/08/2015 17h40 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
3,5520
3,5527
-1,35%
Euro
3,9917
3,9940
-1,86%
Libra
5,4726
5,4747
-1,53%
Peso Argentino
0,3821
0,3826
-1,32%
27/08/2015 17h40 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,62%
INPC IBGE (mês)
54,00%
BR IPC-Fipe Infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
-4,08%
ICV Dieese (mês)
0,93%
27/08/2015 17h39 | Thomson Reuters                                                  

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
14,25%
CDI (ano)
10,80%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
6,50%
TR - Taxa referencial (mês)
0,1949%
Poupança (mês)
0,696%
27/08/2015 17h40 | Thomson Reuters
  
COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
+0,33
14,44
Platina
-
+19,50
996,50
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-1,70
1.123,45
Petróleo Brent
+9,74%
+4,20
47,34
Paládio
-
+29,00
561,50

27/08/2015 17h39 | Thomson Reuters