Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

CITAÇÃO DO DIA

“...O pássaro jamais emudece, nem retrocede, segue cantando e construindo, construindo e cantando...Já sentiu que sua vida, seu trabalho, sua família, seus amigos não são o que você sonhou? Tem vontade de dizer basta, não vale a pena o esforço, isto é demasiado para mim? Você está cansado de recomeçar, do desgaste da luta diária, da confiança traída, das metas não alcançadas quando estava a ponto de conseguir? Mesmo que a vida  o golpeie mais uma vez, não se entregue nunca, faça uma oração, ponha sua esperança na frente e avance. Não se preocupe se na batalha seja ferido, é esperado que algo assim aconteça. Junte os pedaços de sua esperança, arme-a de novo e volte a ir em frente.Não importa   o que você passe... Não desanime, siga adiante. A vida é um desafio constante, mas vale a pena aceitá-lo. E sobretudo... Nunca deixe de cantar.”  (Rivalcir Liberato)       

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

CUNHA REVOGA DECISÕES SOBRE TRÂMITE DE PROCESSO DE IMPEACHMENT
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), revogou na quinta-feira (29) decisão tomada por ele próprio sobre as regras de tramitação de processo de impeachment, posteriormente questionadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A revogação visa impedir que as liminares (decisões provisórias) concedidas pelos ministros Teori Zavascki e Rosa Weber, do STF, travem o andamento de eventual processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff. A derrubada da própria decisão será encaminhada ao STF, conforme a Secretaria-Geral da Câmara, para que os processos que estão com Zavascki e Rosa Weber sejam extintos por “perda de objeto”. A decisão de Cunha sobre a tramitação do requerimento de impeachment foi tomada em resposta a uma questão de ordem da oposição, que visava deixar claro quais os procedimentos que poderiam ser adotados no curso do processo. O PT entrou com uma ação no Supremo questionando a faculdade de Cunha de decidir sobre a tramitação do processo. O partido alegou que eventuais lacunas na legislação sobre impeachment só poderiam ser supridas por outra lei e não por interpretação do presidente da Câmara. Zavascki atendeu ao pedido de liminar do PT e determinou a suspensão  do rito de tramitação do impeachment até que o plenário do Supremo decidisse se as regras apontadas pelo presidente da Câmara seriam válidas. Outros pedidos de suspensão foram protocolados no STF, e Rosa Weber deu a mesma decisão que Zavascki. Na prática, essas liminares poderiam travar o andamento de eventual processo da presidente Dilma Rousseff diante da indefinição sobre o rito de tramitação. Para evitar isso, Eduardo Cunha decidiu, então, revogar as regras que ele estabeleceu e tentar derrubar, com isso, as liminares do STF. De acordo com a Secretaria-Geral da Câmara, neste caso, eventual procedimento de impeachment deverá seguir as regras previstas na Constituição e no regimento interno. Eventuais dúvidas serão resolvidas no curso do processo. Já existe, porém, um parâmetro que pode servir de modelo – o processo de impeachment contra o ex-presidente Fernando Collor de Mello.

IDOSOS SÃO MAIS EFICIENTES QUE JOVENS EM CORRIGIR MEMÓRIA FACTUAL, DIZ ESTUDO
Nem todas as funções cerebrais sofrem declínio durante a terceira idade. Em um estudo sobre conhecimentos gerais que comparou jovens a idosos, os mais velhos demonstraram maior capacidade de corrigir seus próprios erros após passarem duas vezes por um teste. Segundo os autores do teste, da Universidade Columbia, de Nova York, pessoas na terceira idade são menos propensas ao que os psicólogos chamam de "efeito da hipercorreção". Normalmente, quando damos uma resposta errada para algum problema e depois temos a chance de reformulá-la, temos tendência maior a corrigi-la se nossa confiança inicial na resposta errada era grande. Em outras palavras, temos uma propensão a corrigir nossos erros que surpreendem a nós próprios, mas acabamos negligenciando nossos erros de "baixa confiança", cometidos quando tínhamos dado resposta mesmo sem muita certeza daquilo que estamos falando. No experimento de Columbia, liderado pela psicóloga Janet Metcalfe, os cientistas submeteram 89 voluntários a duas baterias de questões. Um grupo de 44 pessoas estava em torno dos 25 anos de idade, e os 45 restantes estavam em torno de 75 anos.
ERRANDO COM CONVICÇÃO
Na primeira etapa, indivíduos de ambos os grupos precisavam responder a uma série de questões de conhecimentos gerais e declaravam quão convictos estavam da resposta -- muito ou pouco, numa escala de 0 a 7. Na segunda, eram submetidos a uma bateria de questões composta só de perguntas que eles haviam errado antes. Na primeira rodada, os idosos se saíram ligeiramente melhor -- o que era esperado, porque um teste de conhecimentos gerais não depende só de memorização de curto e médio prazo, mais forte em jovens. O peso da experiência e da cultura conta muito. Mas não era nesse resultado que os cientistas estavam interessados. O foco era saber se os idosos seriam capazes de corrigir seus erros com mais eficiência que os jovens. Como existe uma noção geral de que jovens aprendem mais rápido, não seria surpreendente se eles se saíssem melhor na tarefa.
CORREÇÃO EFICIENTE
Mas não foi isso que aconteceu. Na segunda etapa, os idosos não se deixaram contaminar muito pelo efeito da hipercorreção, e deram tanta atenção para seus erros de baixa confiança quanto para os de alta confiança. Já os jovens sucumbiram ao viés relatado pelos psicólogos. Quando os voluntários ganhavam uma segunda chance para corrigir suas respostas, os idosos conseguiram as respostas certas para 41% delas, enquanto os adultos jovens acertaram apenas 26%. Os resultados da pesquisa foram publicados em artigo na revista “Psychological Science”. “Os resultados mostraram não só que os adultos mais velhos tinham melhor desempenho em uma tarefa de informações gerais que testava seu conhecimento factual, mas também que eles corrigiam seus erros melhor que os adultos jovens”, escreveram Metcalfe e seus colegas no estudo. “Os adultos mais velhos foram capazes de reunir seus recursos de atenção para aprender as respostas corretas independentemente da convicção original de seus erros e a despeito de sua familiaridade com as respostas.”

DETETIVES DE DUBAI USARÃO GOOGLE GLASS PARA COMBATER CRIME
A polícia de Dubai, nos Emirados Árabes, planeja dar a detetives os óculos inteligentes Google Glass para ajudá-los a combater o crime ao usar a tecnologia de reconhecimento facial, informou um porta-voz da polícia do rico emirado do Golfo Pérsico. O dispositivo vestível consiste em uma pequena tela de computador montada no canto de uma armação de óculos. O aparelho é capaz de tirar fotos, gravar vídeos e reproduzir sons. O porta-voz confirmou uma notícia do jornal "7 Days", de Dubai, de que um software desenvolvido pela polícia de Dubai e instalado no Glass permitirá aos policiais fazerem pesquisas em um banco de dados de pessoas procuradas. Ao "reconhecer" um suspeito com base em uma impressão facial, os óculos alertarão o policial que estiver usando o aparelho. Em um primeiro momento, o dispositivo será usado para combater violações de tráfego e rastrear veículos suspeitos de envolvimento em transgressões automotivas. O segundo estágio da iniciativa colocará a tecnologia a serviço de detetives, disse o porta-voz. Em maio, o Google liberou a venda do aparelho para qualquer pessoa nos Estados Unidos por US$ 1,5 mil. A decisão de Dubai aparentemente está em linha com a determinação das autoridades de não poupar gastos para equipar a polícia. No ano passado, Dubai anunciou que forneceria carros esportivos de US$ 400 mil da Lamborghini para patrulharem importantes centros turísticos. O vice-chefe da polícia de Dubai disse que os veículos estão de acordo com a imagem da região. 

ARTE NO BLOG

A ARTE DE ZAIDA SALDANHA DE ARAUJO – PARTE 01

RECEITA DO BLOG

LINGUADO RECHEADO DE CAMARÃO E ALHO PORÓ, COM MOLHO DE MOSTARDA E AZEITE
INGREDIENTES
·         4 postas de linguado (fresco)  limpo e sem espinhas
·         1 talo de alho poró cortado bem fininho
·         300 gramas de camarão pequeno limpo e sem cabeça
·         Sal e pimenta moída a gosto
·         Manjericão a gosto
·         Azeite de oliva extravirgem a gosto
·         Mini milho a gosto
·         Vagem manteiga á gosto
·         Cenoura cortada em talinhos a gosto
·         1 maço de cebolinha
·         2 colheres de mostarda
·         Pimenta rosa a gosto
·         Folhas inteiras de acelga.
·         1 rolo de filme plástico
·         Ervilhas frescas a gosto

O LINGUADO
·         Tempere o linguado com sal, pimenta do reino a gosto.
·         Sobre os filés, coloque o alho poró, os camarões pequenos e as folhas de manjericão. Reserve.
·         Cozinhe as folhas inteiras de acelga. Deixe esfriar. 
·         Em uma tábua de cortar, coloque um pedaço grande do filme plástico aberto.
·         Sobre o filme coloque a folha de acelga.
·         Sobre a folha de acelga, coloque os linguados e vá enrolando como se fossem um rocambole.
·         Reserve na geladeira por 5 a 6 horas. 
·      Em paralelo cozinhe as cenouras, a vagem, a cebolinha (para amarrar e fazer trouxinhas conforme a foto) e as ervilhas.
·      Após estar cozido os legumes, junte com o mini milho e com a cebolinha cozida, faça trouxinhas. 
·   Aqueça o azeite e após retirar o filme plástico, corte o rocambole dos linguados em rodelas de aproximadamente 3 cm. e coloque em fogo baixo para dourar em ambos os lados. 
·       Misture a mostarda e o azeite. Corrija o sal.
·       Coloque o linguado no prato e regue com o molho. Polvilhe a pimenta rosa.
·       Sirva junto com as ervilhas cozidas e a trouxinha. 

CIRCULA NA INTERNET

DEVIDO A ALTA MAJORAÇÃO DO PREÇO DO COMBUSTÍVEL, SURGE UM NOVO PROGRAMA DE SOCIAL.

IMAGEM DO DIA

Uma beleza de imagem aérea da nossa querida e amada Praia de Tibau - RN - Brasil.

PIADA DO BLOG

ALFREDÃO NO CONSULTÓRIO MÉDICO
O grande filósofo Alfredão entrou na sala de espera de um consultório médico. Quando ele se aproximou da mesa da recepção, a recepcionista disse: 
- Bom dia senhor, qual o seu problema? 
- O meu problema é no pênis, minha senhora. 
A recepcionista irritada: 
- O senhor não devia dizer uma coisa dessas, numa sala de espera cheia de gente! Causa embaraço aos outros doentes! O senhor devia ter dito que estava com um problema na orelha, por exemplo, e depois falar a verdade ao doutor, lá dentro do consultório. 
Alfredão retirou-se da sala, esperou alguns instantes e depois entrou de novo. 
A recepcionista sorriu e perguntou: 
- Sim? 
- Estou com um problema na minha orelha! 
A recepcionista fez um aceno de aprovação e sorriu toda triunfante. 
- E qual é o problema da sua orelha, senhor? 
E o Alfredão com aquela cara de safado respondeu:
- Arde pra caralho quando eu mijo...

TEXTO DO BLOG

A FORÇA QUE VEM DAS MARGENS
por Gaudêncio Torquato*

A maior avalanche de problemas de nossa contemporaneidade – junção de crises nas esferas política, econômica, de gestão e no campo da moral – sinaliza um amanhã radiante. Excesso de otimismo? Vejamos. 
Primeiro, a constatação: há um animus animandi no Brasil que sinaliza para a racionalidade, estreitando as torrentes de emoção. A sociedade toma consciência de sua força, da capacidade que tem para pressionar e exigir. Trata-se da ascensão do conceito de auto-gestão técnica, de uma aculturação lenta, porém firme, no sentido de fazer predominar a razão sobre a emoção.
O crescimento das cidades e, por consequência, as crescentes demandas sociais; o surto vertiginoso do discurso crítico, revigorado por pautas investigativas e denunciadoras feitas pela mídia; o repúdio à velha política que gera, por todos os lados, movimentos de revolta e indignação; e a extraordinária organicidade social, que aparece na multiplicação das entidades intermediárias, hoje poderoso foco de pressão sobre o poder público - formam, por assim dizer, a base de um longo processo de mudanças.
As conseqüências se farão sentir no fortalecimento do edifício democrático. Sinaliza-se um vento favorável à democracia direta, aquela que nasceu em Atenas dos IV e V séculos, quando os cidadãos, na praça central, podiam se manifestar diretamente sobre a vida do Estado. Vivenciamos, hoje, uma borrasca que respinga sobre a democracia representativa, tendo como causa o declínio dos mecanismos clássicos da política, dentre eles, o arrefecimento ideológico; a pasteurização partidária; o enfraquecimento dos Parlamentos; a desmotivação das massas eleitorais; o descumprimento das promessas da democracia (justiça para todos; educação para a cidadania; combate ao poder invisível, entre outras citadas por Norberto Bobbio em seu excelente O Futuro da Democracia).
É fato inegável que um dos avanços se dá pela passagem da democratização do Estado para a democratização da sociedade. Esta democracia social é fruto de um poder ascendente que se consolida pela força emergente das entidades que fazem intermediação de interesses de grupos e setores. A sociedade se torna cada vez mais policrática, multiplicando os centros de poder, muitos deles assumindo posições  diferentes da visão das instituições do Estado. Intui-se que cresce, entre nós, o modelo de autogestão técnica, que se enxerga em Nações desenvolvidas, pelo qual o cidadão sabe o que quer e escolhe os meios para alcançar suas metas.
O fato é que uma sociedade mais plural e participativa – como a que se começa a enxergar no país - propicia maior distribuição de poder; maior distribuição de poder abre caminhos para a democratização social; por conseguinte, a democratização da sociedade civil amplifica a democracia política. Caminhamos firmes nessa direção e a prova mais eloquente de tal tendência se verifica na formidável malha de centros de influência instituídos em todos os âmbitos.
Esse fenômeno enfraquece o poder político representado pela instituição parlamentar? De certo modo, sim. A formação de novos polos de poder no meio e nas margens também se ancora na falta de respostas adequadas por parte da representação política. Partidos políticos constituem um ente amalgamado, massa incolor, sem matiz ideológico. Seus integrantes, idem. Desnaturam suas identidades e não possuem  propostas substantivas. O declínio geral das ideologias, apenas para lembrar, decorre da débâcle do socialismo clássico, da globalização e da interpenetração de fronteiras entre países.
No campo do pensamento, as doutrinas se aproximam e se fundem, resultando na desideologização do discurso político, até porque as lutas do passado - travadas sob o manto da clivagem ideológica - perderam sentido. Os novos adereços doutrinários procuram compor vertentes do liberalismo com sobras do socialismo e, como resultado, desenvolve-se a modelagem social-democrata. 
As oposições perdem vigor. O oposicionismo, nos dias de hoje, se dá menos em função de uma visão programática e mais em função de projetos circunstanciais (e pessoais) de poder, centrados no pragmatismo e inspirados nas demandas dos novos núcleos de pressão. Por outro lado, a ação política voltada para a conquista do poder leva em consideração a micropolítica de grupos regionais. Dessa forma, o processo político no Brasil se estreita. 
E o que resulta dessa nova engenharia social e política? Uma força ascendente-centrípeta, de baixo para cima e de fora para dentro, que reforça a democracia representativa, inoculando-a com valores da democracia direta, entre os quais manifestações e demandas dos cidadãos nas assembléias de suas entidades. Esse empuxo se contrapõe à força descendente-centrífuga, de cima para baixo e dentro para fora, a cargo dos poderes da República e da tecnoestrutura governamental.
Que impactos essa alteração provocará na feição social? O fortalecimento da democracia participativa; a descoberta pelos cidadãos de que seu voto é a principal arma de defesa da cidadania; a instigação para que grupamentos e setores se organizem em torno de entidades; a mudança nos padrões tradicionais da política; o fechamento do ciclo do engodo, da mistificação e da corrupção.
Antes disso, o país mais afundará. O fundo do poço está por vir. Temos, porém, condições de fazer com que o Brasil volte, mais adiante, a caminhar firme. Como lembra o poeta Carlos Ayres Britto, ex-presidente do STF: “o fundo do poço pode não ser de areia movediça. Pode até nem ser de chão batido. Mas de molas ejetoras, a depender de quem despenca. Foi o que me disse uma velha cigana flamenca”.
Temos de acreditar que o Brasil será ejetado na direção de horizontes mais largos e promissores. 

(*) Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter @gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou em baixa na quinta-feira (29), pela quinta sessão consecutiva. O mercado ainda digeria a decisão do banco central dos Estados de manter as taxas de juros inalteradas, mas que deixa a porta aberta para um aperto monetário em dezembro, e uma bateria de balanços corporativos, incluindo Usiminas e Bradesco, cujas ações exerciam peso significativo sobre o mercado. O Ibovespa recuou 2,38%, a 45.628 pontos. Na semana, o índice acumula queda de 4,13%. No mês, porém, a bolsa ainda tem alta de 1,26%. No ano, o Ibovespa perdeu 8,75%.
 ÍNDICES DA BM&FBOVESPA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
MÁXIMO (PTS)
MÍNIMO (PTS)
Ibovespa
-2,38%
46.740,16
45.628,35
IBX
-2,34%
19.592,64
19.133,24
IBX50
-2,47%
8.006,33
7.808,44
IEE
-1,19%
26.399,18
26.094,36
IGCX
-2,32%
7.560,10
7.383,73
INDX
-2,50%
13.479,49
13.142,50
ISE
-2,22%
2.297,57
2.246,56
IVBX
-2,03%
7.447,95
7.296,73
30/10/2015 17h50 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
3,8480
3,8505
-1,78%
Euro
4,2294
4,2346
-0,89%
Libra
5,9016
5,9085
-1,04%
Peso Argentino
0,4038
0,4043
-1,51%
30/10/2015 17h48 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,54%
INPC IBGE (mês)
54,00%
BR IPC-Fipe Infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
-4,08%
ICV Dieese (mês)
0,93%
30/10/2015 17h48 | Thomson Reuters                                                  

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
14,25%
CDI (ano)
10,80%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
7,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,2289%
Poupança (mês)
0,730%
30/10/2015 17h48 | Thomson Reuters
  
COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
-0,36
15,56
Platina
-
-10,01
987,99
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-8,70
1.147,00
Petróleo Brent
+4,76%
+2,23
49,04
Paládio
-
-9,75
668,00

30/10/2015 17h48 | Thomson Reuters

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

CITAÇÃO DO BLOG

“Nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados. Nosso medo mais profundo é que somos poderosos além da conta. É nossa luz, não nossas trevas, o que mais nos assusta. Nos perguntamos, 'Quem sou eu para ser brilhante, grandioso, talentoso e famoso?' Na verdade, quem não somos? Você é uma criança de Deus. Seu jogo despretensioso não serve ao mundo. Não há nada errado com o retrocesso, assim as pessoas não se sentem inseguros com você. Nascemos para manifestarmos a glória de Deus dentro de nós. Não apenas dentro de alguns de nós; mas em todos nós. E quando deixarmos nossa própria luz brilhar, conscientemente daremos às pessoas permissão para fazerem o mesmo. Quando tivermos nos libertado de nosso medo, nossa presença automaticamente libertará aos outros.”   (Nelson Mandela)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

PAGAR 'PEDALADAS' NESTE ANO ALIVIARIA ORÇAMENTO DE 2016, DIZ RELATOR
O pagamento das chamadas "pedaladas fiscais" neste ano pode aumentar o rombo das contas do governo neste ano, mas aliviariam o Orçamento de 2016, segundo avaliação feita pelo relator da peça orçamentária do ano que vem, deputado Ricardo Barros (PP-PR). O governo federal aguarda um entendimento do Tribunal de Contas da União (TCU) para regularizar o pagamento das chamadas pedaladas fiscais - que consistem no atraso dos repasses para bancos públicos do dinheiro de benefícios sociais e previdenciário. Na proposta de alteração da meta fiscal, enviada ao Congresso Nacional, com a previsão de um rombo de R$ 51,8 bilhões, as pedaladas não estão contabilizadas, mas há um dispositivo que permite aumentar a meta de déficit caso elas tenham de ser pagas pelo governo. "Se as pedaladas forem pagas neste ano, o governo vai deixar de dever para o BNDES,  para Caixa e para o Banco do Brasil. É so uma questão de mudança da emissão da dívida. Aí alivia o orçamento do ano que vem. Se empurrar as pedaladas para 2016, vamos ter que encontrar receitas no ano que vem para cobrir isso", disse Barros, após reunião com o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na quarta-feira (28).
R$ 40 BILHÕES DE 'PEDALADAS'
De acordo com ele, o relator da proposta da mudança da meta fiscal de 2015, o deputado Hugo Leal (Pros-RJ), informou que, com a contabilização das pedaladas fiscais neste ano, o rombo das contas públicas poderia subir dos R$ 51,8 bilhões, estimados pelo governo nesta terça-feira (27), para R$ 100 bilhões neste ano. "Ele [Hugo Leal] disse que o déficit é de R$ 51,8 bilhões [em 2015], mais R$ 40 bilhões de pedaladas, mais R$ 11 bilhões da venda de ativos que são leilões de usinas hidrelétricas, que poderão acontecer ou não. Se não acontecer, aumenta o furo [no orçamento]. Se as pedaladas tiverem de acontecer neste ano, aumenta o furo, que pode chegar em R$ 100 bilhões", declarou Ricardo Barros a jornalistas. Barros disse também que a Comissão Mista de Orçamento pode votar, ainda nesta quarta-feira, o relatório que muda a meta fiscal de 2015, anunciada na véspera pelo governo federal. "O relator [Hugo Leal] já sabe exatamente o que ele deve fazer. Aguarda a manifestação do governo por uma questão de cortesia. Ele já sabe o que deve fazer e ele tem a sua opinião sobre qual é o déficit deste ano", disse Barros. Sobre o orçamento de 2016, o relator disse ter "certeza" que ele será votado, pelo Congresso Nacional, ainda neste ano. Barros acrescentou que mantém seu posicionamento de não incluir as receitas provenientes da Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF) nas estimativas para o ano que vem e que mantém o corte no Bolsa Família.

AQUECIMENTO PODE TORNAR GOLFO PÉRSICO INABITÁVEL, DIZ ESTUDO
Fortes ondas de calor provocadas pelo aquecimento global podem limitar a sobrevivência humana em países do Golfo Pérsico até o final deste século, revela uma nova pesquisa realizada por cientistas americanos. Segundo eles, o aumento da temperatura devido à emissão de gases de efeito estufa impediria o corpo humano de se resfriar através da transpiração, ameaçando cidades como Abu Dhabi, Dubai, Doha ou no litoral do Irã. Conduzido pelos professores americanos Jeremy Pal e Elfatih Eltahir, ambos do MIT (Massachusets Institute of Technology), em Boston, nos Estados Unidos, o estudo aponta que ondas de calor mais intensas do que as registradas até agora se tornariam constantes a partir de 2070. "Nossos resultados revelam um lugar do globo onde a mudança climática, na ausência de reduções significativas das emissões de gás carbônico, impactará severamente a habitabilidade humana no futuro", escreveram os cientistas em artigo publicado na revista científica Nature Climate Change. Eles preveem ainda que o clima futuro em muitas localidades do globo será semelhante ao verificado atualmente no deserto de Afar, no lado africano do Mar Vermelho, onde não há indício de assentamentos humanos. A pesquisa, contudo, afirma ser possível contornar o destino trágico se as emissões de gases de efeito estufa forem reduzidas. O Golfo Pérsico, onde a população vem aumentando rapidamente, sofreu neste ano uma de suas piores ondas de calor, com temperaturas chegando a 50°C, e causando inúmeras mortes. "Esperamos que uma informação como essa possa ser útil em fazer com que os países da região se interessem pela redução das emissões de gases de efeito estufa. Eles têm um interesse vital em apoiar medidas que ajudam a a reduzir a concentração de CO2 no futuro", disse Eltahir. Países ricos da região, como a Arábia Saudita, vem frequentemente tentando frustrar negociações de mudanças climáticas a nível internacional. Por trás disso, está a continuidade da exploração de petróleo e gás, principais fontes da economia dessas nações.
MODELOS MATEMÁTICOS
O estudo analisou como a combinação de temperatura e umidade, chamada de Temperatura de bulbo úmido (WBT, em inglês), aumentaria se as emissões de dióxido de carbono continuarem a manter a tendência atual e se a temperatura global subir 4°C neste século, conforme previsões anteriores. Segundo os cientistas, quando a WBT ultrapassa 35°C, o forte calor e a umidade tornariam fisicamente impossível para o ser humano mais condicionado se resfriar com o suor, com consequências fatais após seis horas.Para pessoas menos condicionadas, a WBT fatal seria inferior a 35º C. A temperatura WBT de 35°C ─ uma combinação de 46°C de calor e 50% de umidade ─ foi quase alcançada em Bandar Mahshahr, no Irã, em julho deste ano. Para chegar às conclusões, os pesquisadores usaram modelos matemáticos para mostrar que as temperaturas extremas poderiam ocorrer a cada uma ou duas décadas após 2070 ao longo da maior parte da costa do Golfo, se o aquecimento global não for interrompido. Usando uma medida normal de temperatura, o estudo revelou que os termômetros passariam a marcar em média 45°C durante o verão, enquanto que poderia chegar a 60°C no Kuwait. Perto da costa do Mar Vermelho, na Arábia Saudita, onde se localizam Meca e Jedá, a WBT não deve passar do limiar dos 35°C, mas ficaria em torno de 32°C ou 33°C. Ainda assim, segundo os cientistas, o cenário inviabilizaria o Hajj, a peregrinação anual que os muçulmanos fazem à cidade sagrada de Meca. "Um dos rituais do Hajj – o dia de Arafah – exige que os fiéis rezem em uma localidade fora de Meca do nascer ao pôr do sol. Mas sob essas condições, seria muito difícil realizar esses rituais em áreas abertas", disse Elthair.
AR CONDICIONADO?
O ar condicionado continuaria protegendo as pessoas em áreas fechadas, dizem os cientistas. Eles alertam, contudo, que países mais pobres do Golfo teriam dificuldades financeiras de custear a infraestrutura. No Iêmen, por exemplo, a WBT poderia alcançar 33°C, próxima ao limiar de sobrevivência. "Sob tais condições, o aquecimento global provocaria a morte prematura dos mais fracos ─ a saber, crianças e idosos", disse. A região do Golfo Pérsico é vulnerável a altas temperaturas por causa de tendências meteorológicas regionais. Durante o verão, o céu limpo permite ao sol aquecer fortemente as águas do Golfo, que são rasas  e portanto se aquecem mais rápido do que as dos oceanos. Como resultado, o aquecimento do mar também produz maior umidade, afetando, principalmente, as cidades costeiras.

GLOBO PLAY É LANÇADO; CONHEÇA NOVA PLATAFORMA DIGITAL DE VÍDEOS DA GLOBO
Foi anunciado nesta semana o Globo Play, nova plataforma digital de vídeos da Globo. A programação da emissora – jornalismo, esporte e entretenimento – poderá ser vista por meio do computador, de smartphones, tablets e, em breve, TV conectada. A partir do dia 3 de novembro, o aplicativo vai estar disponível para Android e Apple. Na mesma data, vai ao ar o site da plataforma. O Globo Play oferece acesso gratuito a trechos de novelas, séries e minisséries, assim como a programas jornalísticos e telejornais esportivos. Já os assinantes terão acesso a íntegra de novelas, séries, programas de humor, câmeras exclusivas do BBB e acervo de programas jornalísticos, novelas, séries e minisséries. A assinatura custa R$ 12,90. Participaram do lançamento, em São Paulo, Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da Globo; Erick Brêtas, diretor de Mídias Digitais; Raymundo Barros, diretor de Tecnologia; e Eduardo Becker, diretor de Comercialização de Mídias Digitais. Brêtas destacou que "tudo o que é produzido pela TV Globo está no Globo Play". "Obviamente, os filmes que não são da TV Globo não estão. Posso dizer que não teremos filmes e séries estrangeiras. Mas todo o resto, sim". De acordo com ele, futuramente o aplicativo também deve estar disponível em consoles de videogame. Com o Globo Play, a Globo começa ainda a distribuir conteúdo em 4K, com qualidade de imagem superior ao HD. Os dois primeiros títulos com a tecnologia disponíveis serão "Dupla identidade", já exibido, e "Ligações perigosas", minissérie prevista para janeiro de 2016.
PROGRAMAÇÃO AO VIVO
Além disso, Brêtas explicou que o Globo Play oferece "simulcasting", ou seja, a exibição simultânea da programação que está passando ao vivo na TV. "No começo, o 'simulcasting' vai estar disponível em São Paulo e no Rio”, disse. A ideia é, no futuro, expandir isso a outras regiões do país, com cobertura das afiliadas da TV Globo. "Quem estiver com o Globo Play no Rio, por exemplo, vai ver o RJTV. Quem estiver em São Paulo, vai ver o SPTV. Você sempre vai ter a programação de acordo com a área em que se encontra". O Globo Play também tem opção "curtir" e compartilhar em redes sociais os vídeos, além de comentários. Sobre o efeito da plataforma no consumo de banda larga, Brêtas afirmou: "Espero que as pessoas sejam muito moderadas, porque gasta mesmo. Se você assistir a dois jogos no 4G, dependendo do plano de dados, estoura sua cota para mês inteiro". Por isso, recomendou o uso do wi-fi sempre que possível.
COMO ACESSAR O GLOBO PLAY
Para ter acesso ao Globo Play, o usuário precisa, depois de baixar o aplicativo para Android ou iPhone, fazer apenas o login no Globo.com. Não é necessário, portanto, ser assinante ou pagar qualquer valor. Basta fazer o cadastro."As íntegras que continuam fechadas a assinantes são novelas, séries e programas de humor, além das câmeras do 'BBB'", disse Brêtas. "Outra evolução importante é que a sessão replay estrutura os nossos títulos de acervo. Estão disponíveis 86 títulos de acervo desde 2010. E também vamos começar a experimentar conteúdos 'digital only' [exclusivos para plataformas digitais]. Teremos o capítulo zero da novela ‘Totalmente demais’, que não será transmitido na TV."
O EXEMPLO DE 'VERDADES SECRETAS'
Ao apresentar o Globo Play, Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da Globo, citou que "99,6% dos domicílios brasileiros são atingindos pela TV". "Esta forma de consumo, evidentemente, é insuperável na hora em que se vê futebol ao vivo, novela, reality". Mas ele lembrou também que "hoje temos 115 milhões de brasileiros com acesso à internet, no trabalho ou em casa". Deste total, 38% têm acesso à banda larga, e 80 milhões, a smartphones. "Em 2014, 34% da população assistiu a vídeos na internet. Um exemplo que acabou de ser vivido por todos nós foi 'Verdades secretas'. Já é o maior consumo de mídia digital da história da Globo. Na TV aberta, foram 145 milhões de pessoas assistindo. Na internet, na mídia digital, foram 190 milhões de de plays de trechos ou capítulos assistidos."

RIVISTA DO MINO


SAÚDE NO BLOG

AINDA BEM QUE SOBROU A MORTADELA
por Cristiane Segatto*

Bacon, linguiça, salame e outras formas de carne processada podem causar câncer colorretal, segundo um relatório divulgado hoje pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Assim que o âncora da Rádio CBN anunciou que esse seria o tema da nossa conversa semanal, um ouvinte escreveu: “Ainda bem que sobrou a mortadela”.
Quem resiste ao bom humor do brasileiro? Eu adoro. É uma forma de contornar as chatices que insistem em piorar a vida que já não vai bem. Desemprego, inflação, bandidagem e, para piorar o dia, a patrulha da alimentação saudável? Ninguém merece, mas quem procurou entender o que significa esse relatório da OMS percebeu que não há razão para reprimir a felicidade de comer um bacon crocante, desde que seja de vez em quando. 
A mortadela, querido ouvinte e leitor, também é carne processada. Nem ela escapou do relatório da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), o órgão da OMS que avaliou 800 estudos sobre o tema, realizados nos últimos 20 anos.
Segundo o documento, o risco de câncer colorretal (intestino ou reto) aumenta 18% nos indivíduos que consomem, diariamente, 50 gramas de carne vermelha processada – o equivalente a duas fatias de bacon.
Esses produtos contêm nitritos, nitratos e outras substâncias conservantes que podem desencadear a doença. Nos últimos anos, as evidências científicas que demonstram a relação entre esses alimentos e o câncer tornaram-se suficientemente robustas. 
Por isso, a carne processada foi incluída no mesmo grupo de outros produtos cancerígenos, como o fumo, o álcool e o amianto. Mas alto lá: isso não significa que um bife seja tão perigoso quanto um cigarro. Não é isso. O tabagismo continua sendo o principal fator de risco para desenvolvimento da doença.
A carne vermelha não processada (o churrasco, o bife, a carne de panela...) foi classificada em outro grupo: o 2 A. Significa que existem evidências de que ela provoca câncer, mas essas evidências são limitadas. Nesse mesmo grupo está o glifosato, o agrotóxico mais usado no mundo. 
Os estudos disponíveis atualmente não apontam, com certeza, qual seria o limite seguro de consumo de carne. Muitos médicos recomendam que as pessoas comam carne vermelha, no máximo, duas vezes por semana.
O importante é evitar o exagero na frequência do consumo e no tamanho das porções. Um bife, por exemplo, deve caber na palma da mão. Outra dica importante diz respeito à forma de preparo. Carnes cozidas ou assadas são mais saudáveis. Grelhar, fritar ou usar carvão liberam substâncias cancerígenas. 
As autoridades de saúde cumprem um papel importante ao revisar periodicamente as evidências científicas e fazer alertas contundentes. Se não fizessem isso, pecariam pela omissão. Conhecer os riscos impostos pelos produtos que consome é um direito dos cidadãos.
Mas o efeito prático desses anúncios tende a ser nulo. O cidadão ouve, tira um sarro, compartilha a notícia e, já que falaram no assunto, pede um cheesebacon na lanchonete, já pensando na happy hour da sexta e no churrascão do sábado. 
Não acredito que informação, pura e simples, leve a mudança de comportamento. Vinte anos de cobertura de saúde me tornaram cética. Para produzir mudança, as autoridades de saúde precisam se reinventar.
Paladar, hábitos alimentares e noção de porção são moldados na infância. Quem perdeu essa oportunidade de se educar dificilmente conseguirá renovar essa programação na idade adulta. Reeducação alimentar é possível, mas ela só funciona com quem está disposto a mudar.

(*) Cristiane Segatto é repórter especial de saúde.

CIRCULA NA INTERNET

A HISTÓRIA EM TRÊS ATOS!

IMAGEM DO DIA

Uma deslumbrante imagem na paradisíaca região de Bahamas. 

PIADA DO BLOG

OPINIÃO DE SOGRA...
Um rapaz novo chega em casa muito excitado, e diz a mãe, que se apaixonou e que se vai casar.
Ele diz:
- Mãe, por brincadeira, vou trazer aqui 3 mulheres e você vai tentar adivinhar com qual eu vou casar.
A mãe concorda. No dia seguinte, ele leva 3 mulheres lindíssimas. Elas sentam-se no sofá e conversam durante um tempo. Então ele pergunta:
- Então mãe, adivinhou com qual eu vou me casar?
A mãe responde imediatamente:
- A do meio.
Ele:
- Incrível mãe, você acertou! Mas como é que sabia?
Mãe:
- Não gosto dela.

TEXTO DO BLOG

ROBINSON CRUSOE EM MARTE

por Luis Fernando Verissimo*

Ridley Scott talvez só perca para o Woody Allen na quantidade de filmes que faz. Como no caso de Allen, a prolixidade afeta a qualidade, que varia entre grandes filmes, filmes mais ou menos e filmes que eles prefeririam esquecer. A diferença é que Scott se especializou em superproduções e, quando erra, erra espetacularmente, enquanto Allen, comparado com ele, é um miniaturista. Scott fez coisas fantásticas como “Os duelistas”, “Alien”, “Blade runner”, “Thelma & Louise” e aquele pouco valorizado filme sobre as Cruzadas, mas o seu “O conselheiro do crime”, por exemplo — no qual a Cameron Diaz faz sexo com um automóvel — já foi eleito um dos piores filmes de todos os tempos.
“Perdido em Marte” é um dos bons. Seu lançamento coincidiu com a notícia de que havia água líquida em Marte, o que serviu como uma promoção inesperada para o filme, mas ao mesmo tempo o datou. Se o astronauta abandonado soubesse, em 2035 (quando, li não me lembro onde, se passa a historia), que tinha água à vontade sem ter que produzi-la artificialmente, seu desterro seria mais fácil. Mas o filme ficou pronto antes da notícia da água.
Em geral, a experiência do astronauta no filme é verossímil, de acordo com comentaristas científicos, mas há alguns enganos. Uma ventania como a que força a suspensão da missão seria impossível na atmosfera rarefeita de Marte. E, mesmo protegido pelo seu traje espacial, o abandonado não sobreviveria à radiação intensa e contínua do Sol. No mais, dizem os cientistas, tudo que se vê no filme é possível, até o improvável final, que eu não vou contar como é.
Parte do fascínio de “Perdido em Marte” é o mesmo que nos atrai em todas as versões da mesma história, a de um ser sozinho, reduzido ao seu engenho para domar a natureza e sobreviver, no fim um elogio à tenacidade humana. Robinson Crusoé de novo, desta vez em Marte. Irresistível.
E é bom saber que em 2035 o politicamente correto terá triunfado no espaço e na Terra. A comandante da missão abortada é uma mulher, um dos seus comandados é hispânico, entre os técnicos e cientistas que guiam as missões a maioria é de negros e asiáticos — e até a China dá uma mão. 

(*) Luis Fernando Verissimo é escritor.

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
O principal índice da Bovespa mudou de rumo e encerrou a quarta-feira (28) em queda, após o banco central dos Estados manter as taxas de juros inalteradas, mas deixar a porta aberta para um aperto monetário em sua próxima reunião, em dezembro. O principal indicador da Bolsa de Valores de São Paulo caiu 0,64%, a 46.740 pontos, na quarta sessão consecutiva de queda.  Na semana, o índice acumula queda de 1,80%. No mês, porém, a bolsa ainda tem alta de 3,73%. No ano, o Ibovespa perdeu 6,53%
ÍNDICES DA BM&FBOVESPA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
MÁXIMO (PTS)
MÍNIMO (PTS)
Ibovespa
-0,64%
47.441,50
46.388,14
IBX
-0,70%
19.864,12
19.449,33
IBX50
-0,66%
8.122,21
7.944,96
IEE
-0,76%
26.740,16
26.293,14
IGCX
-0,82%
7.654,26
7.511,40
INDX
-0,77%
13.597,48
13.380,69
ISE
-1,03%
2.322,40
2.280,75
IVBX
-1,13%
7.551,41
7.398,77
28/10/2015 19h55 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
3,9051
3,9071
+0,26%
Euro
4,2646
4,2706
-0,07%
Libra
5,9643
5,9700
+0,01%
Peso Argentino
0,4101
0,4106
+0,02%
28/10/2015 19h54 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,54%
INPC IBGE (mês)
54,00%
BR IPC-Fipe Infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
-4,08%
ICV Dieese (mês)
0,93%
28/10/2015 19h54 | Thomson Reuters                                                  

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
14,25%
CDI (ano)
10,80%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
7,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,1940%
Poupança (mês)
0,695%
28/10/2015 19h54 | Thomson Reuters
  
COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
+0,08
15,92
Platina
-
+15,00
998,00
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-10,85
1.155,70
Petróleo Brent
+4,76%
+2,23
49,04
Paládio
-
+3,25
677,75

28/10/2015 19h54 | Thomson Reuters